Coberturas
Convenções virtuais para homologação de candidaturas. Donos de partidos ficarão com mais força
Home Últimas Notícias Convenções virtuais para homologação de candidaturas. Donos de partidos ficarão com mais força

TSE libera convenções partidárias por meio virtual - Jornal O Impacto

 

Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), recentemente, pediram sugestões aos dirigentes partidários para a elaboração da Resolução da Corte sobre a realização das convenções municipais virtuais, quando serão homologados os nomes dos candidatos a prefeito e vereador. A orientação do TSE para a nova modalidade de oficialização dos postulantes a cargos majoritários e proporcionais, não exclui o sistema tradicional dos eventos presenciais, momento que as agremiações aproveitavam para a promoção das primeiras grandes concentrações da campanha nascente.

A festa, para a quase totalidade dos convencionais, era a parte mais importante daquele acontecimento político-partidário, tanto que os nomes de todos os candidatos só eram conhecidos posteriormente, quando os “chefões” mandavam entregar as atas à Justiça Eleitoral. O sistema virtual pretendido, sem a festa cívica tradicional, e sem o estabelecimento de regras rígidas para o transcurso das convenções, indiscutivelmente garantirá mais espaços para os donos dos partidos, individualmente, escolherem os seus candidatos, com prejuízos, por certo, de alguns filiados, ao cabo preteridos.

A minuta da Resolução que os ministros do TSE querem votar nesta terça-feira (30), está em discussão desde a semana passada, depois que a Corte Eleitoral decidiu permitir a realização de convenções virtuais. Ela, porém, ainda depende da decisão do Congresso Nacional, que precisa realmente aprovar o adiamento dos dias de votação. Os senadores já aprovaram os dias 15 e 29 de novembro para as votações de primeiro e segundo turnos. Na Câmara dos Deputados, contudo, ainda está sendo discutido um acordo para a aprovação desse Calendário de votação e, também, das convenções partidárias.

Os senadores querem as convenções para o período de 31 de agosto a 16 de setembro, com o registro das candidaturas na Justiça Eleitoral ficando para até o dia 26 de setembro, quando, então, oficialmente a campanha eleitoral teria início. Os deputados podem não concordar, fazendo a questão voltar a ser discutida no Senado. Sem a definição dessas datas a Resolução do TSE não deverá ser votada. A Justiça Eleitoral não tem o poder de definir data do Calendário Eleitoral, pois é competência exclusiva do Congresso Nacional fixar a data das eleições, base para a preparação da burocracia, esta sim a cargo do TSE.

Dizer que o Supremo Tribunal Federal (STF) pode fixar uma nova data para a votação deste ano se o Congresso mantiver os dias (4 e 25 de outubro) estabelecidas na Constituição Federal, é desconhecer as competências dos Poderes na Democracia, é querer diminuir o Parlamento. A indefinição sobre a propagação do coronavírus até outubro, bem como a dúvida sobre quando surgirá uma medicação para contê-la, recomenda o adiamento da votação. Mas só os deputados e senadores podem dizer para quando, se alterarem a Constituição.

 

Fonte: BlogdoEdsonSilva

Compartilhe:
Veja Mais