Últimas Notícias
Consumidores de Fortaleza estão mais confiantes, aponta pesquisa da Fecomércio
Home Últimas Notícias Consumidores de Fortaleza estão mais confiantes, aponta pesquisa da Fecomércio

 

Estudo indica que, apesar das dificuldades impostas pela pandemia, os fortalezenses estão mais favoráveis ao consumo.

A confiança do consumidor de Fortaleza apresentou sinal de melhora, segundo resultado da pesquisa Índice Confiança do Consumidor (ICC) para os meses de maio e junho deste ano. De acordo com o levantamento, realizado pela Fecomércio Ceará, através do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Ceará (IPDC), a confiança do consumidor ultrapassou os 100 pontos, chegando a 100,5 pontos.

O número é considerado animador, tendo em vista todas as dificuldades impostas pela pandemia de covid-19 e a crise econômica. Além disso, houve um leve crescimento de 3,7 pontos em relação ao bimestre anterior de março e abril, quando o indicador ficou de 96,8. Apesar de ainda distante do melhor momento da série de 14 meses, que marcou 112,9 pontos (Nov-Dez/20), a pesquisa aponta para uma reação positiva do consumidor.

A pesquisa também apontou alta na percepção do Índice de Situação Presente (ISP). O indicador saiu de 64,4 pontos (Mar-Abr/21) para 68,1 pontos, aumento de 3,7 pontos. Isso significa que o consumidor fortalezense enxerga uma ligeira melhora para o momento atual.

O melhor resultado ficou para o índice das Expectativas Futuras (IEF), que saltou de 118,4 pontos (Mar-Abr/21) para 122,1 no bimestre atual, o maior nível desde Nov-Dez/20, com aumento de 3,7 pontos. O índice do bimestre foi também o segundo melhor da série de 14 meses, que registrou o maior patamar em Jul-Ago/20 (123,6), quando se configurou a retomada pós-primeiro lockdown.

De acordo com a pesquisa, há um grupo de consumidores da população fortalezense que apresenta melhor indicador de confiança. São pessoas do sexo masculino, com 103,3 pontos; a faixa etária de 25 a 34 anos, com 111,5 pontos; com escolaridade superior; 107,7 pontos e a renda familiar maior de 10 salários mínimos, registrando 117,6 pontos.

Percepção dos consumidores

Quando o assunto é sobre a situação financeira e a condição para ir às compras de bens duráveis no mês seguinte, o reflexo do aperto financeiro é enfatizado. Um percentual de 46% dos consumidores aponta que o momento é ruim e, para 34%, é péssimo. O contingente que vê a perspectiva como boa é de 18,9% e só 0,7% enxerga como ótima.

Com mais desemprego e inflação em alta, as percepções dos consumidores sobre a situação financeira de suas famílias comparadas ao ano passado pioraram. Segundo o levantamento, 58,4% dos entrevistados consideram que sua condição é ruim e 5,8% acham péssima em relação ao ano anterior. Apenas 5,8% avaliam que a situação está boa e 1,0%, ótima.

Considerando o longo prazo, quando questionados sobre as expectativas financeiras das famílias para os próximos 12 meses, 64,7% responderam que será boa, 12,8% ótima, 21,3% consideram que será ruim e 1,2% crê que será péssima.

Intenção de Compra dos Consumidores

A taxa percentual de intenção de compra mensal dos consumidores também apresentou alta nos meses de Mai-Jun/21, chegando a 37,3%, um aumento de 12,8 pontos percentuais contra Mar-Abr/21, quando marcou 24,5%, o menor nível da série histórica de 14 meses.

Embalados nas datas tradicionais de maior consumo, como Dia das Mães, em maio, e o Dia dos Namorados no mês de junho, os produtos que lideram o ranking de mais desejados pelo consumidor neste bimestre são: TVs (23%), vestuário (17,3%), celulares/smartphones (16,6%), predominando bens de consumo de maior valor.

A expectativa de gastos com as compras também se mostra em geral mais significativa, com 65,9% projetando um valor acima de R$ 1 mil neste bimestre. Outros 16,1% preveem gastos de R$ 500 a R$ 1 mil, enquanto 9,9% se dispõem a desembolsar entre R$ 251 e R$ 499 em compras. Para 8,1%, o teto de gastos é de R$ 250.

Veja Mais