Últimas Notícias
Vacinação Solidária conscientiza para doações de alimentos a famílias de baixa renda
Home Últimas Notícias Vacinação Solidária conscientiza para doações de alimentos a famílias de baixa renda

 

Parceria do Governo do Ceará, Sistema Fecomércio, Aprece e APDMCE, lançada na última terça-feira (11), prevê que as pessoas a serem vacinadas possam levar alimentos da cesta básica para doar a entidades de todo o Estado. Objetivo é ampliar a ajuda a famílias em situação de vulnerabilidade que têm sofrido com a pandemia de Covid-19 através da experiência de ações como o Mais Nutrição e o Mesa Brasil

Muitas mãos em prol do apoio ao próximo. Agora, quem for vacinado contra a Covid-19 no Ceará pode celebrar a imunização de forma solidária. Levando alimentos não-perecíveis, que serão encaminhados às famílias em situação de vulnerabilidade do estado na campanha Vacinação Solidária. O lançamento ocorreu na tarde desta terça-feira (11), através das redes sociais do Governo do Ceará, em solenidade com a participação do governador Camilo Santana, da primeira-dama Onélia Santana, e do presidente do Sistema Fecomércio, Maurício Filizola, entre outras autoridades.

A ação é uma parceria do Governo do Ceará, via Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS) e Programa Mais Nutrição, com a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), Sistema Fecomércio e Associação para o Desenvolvimento dos Municípios do Estado do Ceará (APDMCE). A Campanha Vacinação Solidária incentiva as pessoas que forem se vacinar contra a Covid-19 a levar 1kg de alimento não-perecível da cesta básica (arroz, feijão, macarrão, leite em pó, dentre outros) para que seja doado a entidades carentes, e assim, ajudar as famílias em situação de vulnerabilidade de todo o Ceará. A doação não é obrigatória, ajudando apenas quem puder ou quiser colaborar.

A primeira-dama do Estado, Onélia Santana, que está à frente da campanha, ressalta a importância da solidariedade neste momento. “Esse é um chamamento de amor, é um chamamento de fraternidade. É pra se unir a essa campanha. E sempre pensando no mais vulnerável”. E ainda completa: “É uma campanha que une vários setores em prol do bem comum, de servir as pessoas que estão em vulnerabilidade social. Então, eu convido a todos vocês que ao se vacinar, não é obrigatório, mas ao se vacinar, que queira ajudar a quem precisa, leve um quilo de alimento”.

Ampliação dos programas sociais

A Campanha Vacinação Solidária será uma forma de ampliar ainda mais a ajuda às pessoas em situação de vulnerabilidade no Ceará. O Governo do Estado já tem em execução programas sociais de transferência de renda que vêm ajudando famílias carentes. Exemplos são a ampliação de beneficiados com o Cartão Mais Infância, que abrange 150 mil famílias em 2021, em um investimento de mais de R$ 140 milhões, e a distribuição de botijões de gás, que tem contemplado cerca de 255 mil famílias e investido mais de R$ 17 milhões. Há ainda o pagamento de contas de energia elétrica, de água (Cagece e Sisar), isenção da taxa de contingenciamento de água e o auxílio catador.

“Nós sabemos todos que estamos diante de um momento desafiador, que é a pandemia. Momento que tem exigido muita união de todos nós, do setor público, do setor privado, da sociedade civil organizada, da academia, em busca de superarmos essa pandemia que afeta o mundo inteiro”, pontuou o governador Camilo Santana, ao apresentar a Campanha Vacinação Solidária.

A entrega deve ser feita nos locais de vacinação dos municípios que aderirem à campanha. Atualmente, são 2.320 destes pontos de vacinação em todo o Estado. Os municípios que participam da Vacinação Solidária se comprometem com os termos de adesão, divulgando a ação e seguindo as orientações sanitárias para a segurança nas distribuições dos itens às famílias cadastradas em programas sociais, como o Bolsa Família e o Mais Nutrição. Ao receber a doação, um representante da família assinará recibo comprovando o recebimento da cesta básica.

“É um momento para a gente estimular toda a nossa sociedade a integrar essa cadeia de solidariedade. A gente tem percebido que as pessoas tinham o desejo de ajudar, de servir, mas não sabiam como fazer. Que nós possamos, dentro dos nossos municípios, criar esse ambiente de solidariedade para que a gente possa estimular as pessoas que têm condição a poderem estar doando, no ato da sua vacinação. Aqueles que possam já ter se vacinado, tenham condição e queiram servir, de ir aos nossos equipamentos à disposição nos nossos municípios”, frisou Júnior Castro, presidente da Aprece.

“Nesse ato da vacinação, não é só um alimento que está sendo entregue, mas está sendo entregue também a oportunidade de mais esperança, de mais amor, diante de toda a dificuldade que estamos vivendo”, afirmou Sônia Fortaleza, presidente da ADPMCE.

 

Divisão dos municípios

Os municípios do Ceará serão divididos em três grupos, cada um obedecendo um fluxo de distribuição das doações. O primeiro será composto por municípios com menos de 50 mil habitantes e será o maior deles. O segundo terá municípios entre 50 mil e 100 mil habitantes. E o terceiro será composto por municípios acima de 100 mil habitantes. Cada um desses grupos de fluxo terá a mesma padronização na distribuição das doações.

O Mesa Brasil, programa de segurança alimentar e nutricional do Sesc, que por sua vez é o braço social do Sistema Fecomércio, fará o treinamento das pessoas que vão trabalhar no recebimento dos alimentos, na montagem das cestas básicas e na distribuição, além de ficar responsável também pelo monitoramento de todo o processo.

“Quando vê os desafios e consegue enfrentá-los e seguir em frente. Sabemos que muitos criticam e apontam para um lado e para o outro. Principalmente, num cenário de incertezas, como nós temos em vários aspectos da saúde, da economia e do social. Mas nós sabemos que são aprendizados que virão. E eu sei que a maturidade nossa, do ser humano, ela vem através dos nossos exemplos, de não estar apontando, e sim, buscando soluções, alternativas que possam contribuir com a sociedade”, afirmou Maurício Filizola, presidente do Sistema Fecomércio.

Haverá ainda a mobilização dos setores empresariais, da indústria e produtivo para doações, inclusive em dinheiro, para a compra de alimentos que serão destinados também para as famílias de baixa renda contempladas na Campanha Vacinação Solidária.

Veja Mais